Texto-Modelo – Aula 10 (Roberto Amaral)

No vestibular de 2017, uma das propostas de redação apresentadas pela Unicamp foi a seguinte: “Como um(a) aluno(a) do Ensino Médio interessado(a) em questões da atualidade, você leu o artigo ‘A volta de um Rio que faz sonhar’. Sentindo-se desafiado(a) pelos questionamentos levantados no texto, você decidiu escrever uma carta para a Seção do Leitor da revista Rio Pesquisa. Em sua carta, discuta a relação estabelecida pela autora entre o conceito de Brasil cordial e a presença de estrangeiros no Brasil, apresentando argumentos em defesa de um ponto de vista sobre a questão.”

O colega Roberto Amaral, da turma 3H2, formulou a carta que segue. Percebam que ele claramente aponta à sua interlocutora (Lena M. Menezes, autora do artigo) o motivo de sua escrita, sua concordância com o conteúdo do artigo, os motivos de sua concordância; inclusive, Roberto aponta novos fatos que corroboram a visão defendida por Menezes.

São Paulo, 15 de Agosto de 2017

Prezada Senhora Lená Medeiros de Menezes,

            sou aluno do Ensino Médio e tenho um grande interesse por assuntos da atualidade em cenário tanto nacional quanto internacional. Estou escrevendo-lhe, pois não pude deixar de reparar no quanto seu texto, publicado pela revista Rio Pesquisa em setembro de 2012, ainda se mostra atual e digno de questionamento. Acredito que o ponto que a senhora abrange em seu artigo quanto ao fato de que o Brasil talvez não possua a cordialidade que o senso popular costuma estabelecer é extremamente válido.
Em minha visão, acredito que o ponto mais interessante a ser desenvolvido em sua argumentação é a questão da análise histórica fugindo do estereótipo de que o povo brasileiro é extremamente hospitaleiro, apontando, por exemplo, o episódio da expulsão violenta de estrangeiros na Primeira República. Afinal, é impossível a visão do povo ter mudado por completo em pouco mais de 80 anos. Na minha opinião, os seres humanos agem, na grande maioria das vezes, movidos por interesse e o caso da aceitação brasileira com estrangeiros não é diferente. Por exemplo, nos tempos do “boom” econômico promovido com mais força no governo Juscelino Kubitschek, o país precisava de mão de obra e mercado consumidor, logo era um excelente anfitrião para os chamados “gringos”. Porém, hoje são outros tempos, nos quais o mundo vive com constante medo de se abrir para pessoas diferentes e com discursos de ódio contra imigrantes e refugiados em diversas potencias mundiais. Isso se dá em parte pelo medo e em parte pela superpopulação que tem gerado o desemprego.
Vim escrever-lhe pois enxergo seu questionamento amplamente válido como crítica e penso que a senhora deveria continuar questionando este estereótipo em busca de mudanças de cenário migratório que se tornou desfavorável no cenário brasileiro atual.

Atenciosamente,
R.S.A.

Texto-Modelo – Aula 9 (Rebeca Carmona)

Eis mais um texto-modelo da aula 9!

Em seu texto “A expectativa de justiça”, a colega Rebeca Carmona aponta os motivos de o povo brasileiro estar “na expectativa de que ela [a nova presidente do STF, Cármen Lúcia] traga as mudanças necessárias ao país”. Entre esses motivos, Rebeca mencionou algo que nem estava na coletânea fornecida pela PUC-2017: o simbolismo de uma mulher estar à frente do Supremo Tribunal Federal.

Boa leitura a todos!

A expectativa de justiça

          Recentemente, Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), vem se tornando uma esperança de mudança no Brasil. Desde o começo de sua participação no cenário político brasileiro, a ministra tem lutado pela justiça e ordem, sendo peça fundamental em diversos casos de corrupção, assegurando que os que devem ser punidos sejam devidamente julgados e condenados. Agora, com a posse de seu cargo no STF, o povo brasileiro está na expectativa de que ela traga as mudanças necessárias ao país.

          Já durante seu discurso de posse, a ministra expressou uma série de mudanças que deseja cumprir durante seu mandato, correspondendo também ao desejo dos brasileiros. “Alguma coisa está fora da ordem”, disse ela em seu discurso, citando Caetano Veloso e se referindo também à corrupção que é extremamente comum nos diversos órgãos do governo e infectou a todos, inclusive o judiciário. Assim, há esperança de que ela traga finalmente a justiça aos que merecem ser punidos, algo no que muitos de seus antecessores falharam em realizar, combatendo então a impunidade do Estado.

          Há também outra mudança que pode ser prevista agora que ela tem seu cargo que, apesar de não ter sido citada em seu discurso de posse, tem tanta relevância quanto as outras. Trata-se do fato de ela ser apenas a segunda mulher que assume a presidência do STF dos 47 que já existiram, vindo depois de Ellen Gracie, que presidiu a entidade de 2000 a 2011. Ambas as mulheres representaram um símbolo de esperança de que a igualdade dos gêneros seja alcançada. No Brasil, os números de feminicídio e assédio sexual estão entre os maiores do mundo, gerando uma situação muito insegura para as mulheres, que também têm mais dificuldade em conseguir empregos e alcançar altos cargos em suas profissões por causa da sociedade machista em que estão imersas. Dessa maneira, o fato de uma mulher ter alcançado uma posição de tanto prestígio e destaque no governo é extremamente significativo. Cármen Lúcia também tem isso em mente, chamando atenção, por exemplo, do Ministro Luiz Fux, que insistia em interromper a Ministra Rosa Weber durante uma sessão; Cármen Lúcia lhe disse que as mulheres em tribunais constitucionais têm uma chance 18 vezes mais alta de serem interrompidas enquanto falam do que os homens e que é algo que a excelência deveria parar de praticar.

           Portanto, é possível perceber que a presidente do STF, Cármen Lúcia, tornou-se um símbolo de justiça e esperança para o povo brasileiro. Ela está sob a expectativa de corrigir os erros cometidos no Brasil e, apesar de ser algo muito difícil de se atingir, todos estão torcendo por ela.

Rebeca Carmona, 3H2

Texto-Modelo – Aula 9 (Gabriela Coelho)

Abaixo, vocês poderão ler o texto escrito por Gabriela Coelho, da turma 3H1, em nossa aula 9. Percebam que a Gabriela parte de um conceito de Jean-Jacques Rousseau para iniciar o assunto. Além de dar informatividade ao texto, esse início deu um contexto para a discussão. Essa preocupação com a contextualização também se fez presente no Desenvolvimento: a Gabriela nos apresentou como foi o discurso da ministra Cármen Lúcia, quando ela foi empossada Presidente do STF.

Boa leitura!

O contrato Social de Cármen Lúcia

     “O Povo como soberano”. Nisso se baseia o livro O Contrato Social, escrito por Jean-Jacques Rousseau. Utilizado como uma das bases ideológicas de diversas revoluções burguesas, como a Revolução Francesa, que se desenvolve no fim do século XVIII, esse ideal ainda é, teoricamente, a representação da democracia: eleger políticos que representem os interesses da população, o que nem sempre acontece. No Brasil, em um contexto de extrema corrupção, há o surgimento de uma figura que fortalece nos cidadãos do país expectativa de mudanças que possam fazer jus ao que dizia Rousseau em sua mais famosa obra; trata-se de Cármen Lúcia, atual presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

     Em setembro de 2017 completará um ano a posse do cargo de presidente por Cármen Lúcia, marcado por um discurso de perspectiva extremamente transformadora, o que deixou o povo brasileiro com expectativas de mudanças no Judiciário do país. A primeira frase do discurso da ministra já sinalizou uma das tendências de mudança: em vez de primeiramente saudar o presidente da república Michel Temer, como de costume, saudou “Sua Excelência, o povo”. Tal conduta revela sua intenção de priorizar o cidadão brasileiro, considerando-o a maior autoridade e principal agente da política. Colocando a população não abaixo de políticos e do setor Judiciário, mas no mesmo patamar de importância, a presidente já inicia a evidenciar outras condutas que deixam claras no decorrer do discurso.

     “Privilégios são incompatíveis com a República”, proferiu Cármen Lúcia para o jornal Folha de S. Paulo, em 2015, pauta que não foi abandonada quando assumiu seu cargo no STF. Dentre suas promessas, a presidente pretende cortar privilégios dentro da justiça, como evidenciado quase um ano após sua posse quando se posiciona contra o reajuste salarial pedido por juízes, com a intenção de combater a corrupção e o abuso de poder por membros do poder público do brasileiro.

      É claro que a efetiva mudança de rumo político do país não ocorrerá da noite para o dia, porém figuras dispostas a lutar por isso parecem começar a aparecer.

Gabriela Coelho Silveira

Texto modelo da aula 3 – Livia Shimura

Aqui está mais um texto da aula 3 para vocês apreciarem. Notem como a Livia, da 3B2, empregando boa linguagem e organização, critica o uso de animais em experimentações científicas. Para dar consistência à defesa de sua tese, a aluna vale-se de exemplos concretos, o que torna o texto mais persuasivo.

Boa leitura!

Ciência Ética

Livia Shimura

Grande parcela da população mundial, assim como indústrias atuantes em diversos âmbitos, são favoráveis ao uso de animais em experimentações científicas. Esses indivíduos argumentam que a espécie humana, por ser mais importante do que os demais seres vivos, deve subordiná-los aos seus interesses. Submeter os animais a testes extremamente cruéis, entretanto, é antiético e nem sempre leva aos resultados desejados, causando sofrimento desnecessário.

Os animais sentem dor assim como os seres humanos e é cruel fazê-los passar por condições que são consideradas desumanas. Presos por dias em jaulas pequenas, cães, gatos, macacos, ratos, coelhos e mais uma longa lista de animais são cobaias de testes de produtos, como os cosméticos, que podem causar queimaduras, entre outras irritações, na pele. Em casos mais graves, esses animais desenvolvem cânceres e vivem com essas doenças e dores até a morte ou até serem sacrificados.

Apesar disso, esses animais que são forçados a passar suas vidas em laboratórios ainda são vistos por muitas pessoas como um “pequeno dano colateral” para um bem maior. Porém, esse “bem maior” muitas vezes chega a não ser atingido. Animais, apesar de possuírem algumas características extremamente semelhantes aos seres humanos, nem sempre respondem a tratamentos da mesma maneira. É importante lembrar que os animais podem possuir uma fisiologia muito diferente daquela dos seres humanos. O vírus da AIDS, o HIV, por exemplo, surgiu a partir de um vírus chamado SIV, que é altamente mutante, em macacos. Apesar de inofensivo para os macacos, a AIDS pode ser fatal para o seu parente evolutivo mais próximo, o ser humano.

Medicamentos e produtos que funcionam em animais podem ser extremamente perigosos aos seres humanos, causando danos irreversíveis para as pessoas e sofrimento desnecessário aos animais que serviram de cobaia. Um bom exemplo é o da droga TGN1412, um anticorpo monoclonal, produzido por um único clone, que foi testado em humanos em 2006 no Northwick Park Hospital, Reino Unido. A droga tinha sido previamente testada em macacos com doses 500 vezes maiores. Porém, esses testes fracassaram em prever a falha no funcionamento de diversos órgãos nos seres humanos que, segundo médicos, podem desenvolver doenças autoimunes e cânceres por causa do TGN1412.

Assim, perante tais fatos, é possível chegar à conclusão de que os animais não merecem ser maltratados às custas dos seres humanos. Além da crueldade, diversos campos da ciência já estão sendo desenvolvidos, como a biotecnologia, e podem não só criar novas técnicas, como também aperfeiçoar alternativas aos animais em experimentos, sendo uma solução mais ética e possivelmente mais precisa que o uso de cobaias nessas experimentações científicas.